Conecte-se Conosco

Brasil

Por 6 votos a 1, TSE cassa Francischini por divulgar ‘fake news’ contra urnas eletrônicas

Compartilhe na suas Redes Sociais

Fernando Francischini transmitiu live no dia das eleições questionando segurança das urnas eletrônicas.

RDP

Publicado

em

Tânia Rego | Agência Brasil
Compartilhe na suas Redes Sociais

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira (28), por 6 votos a 1, cassar o mandato do deputado estadual do Paraná Fernando Francischini (PSL), eleito para a Assembleia Legislativa do Paraná com 427 mil votos, um recorde para a região.

A expressiva votação foi suficiente para eleger mais sete deputados estaduais.

Apesar disso, de acordo com a sentença desta quinta, Francischini propagou informações falsas sobre a urna eletrônica e o sistema de votação durante o pleito de 2018.

A decisão, no entanto, é inédita. O TSE considerou que a conduta de propagar desinformação pode configurar uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder político.

Em consequência disso, o parlamentar deve perder o mandato, além de ficar inelegível por oito anos.

Outro ponto determinado é que os votos obtidos por Francischini na eleição sejam anulados, e uma nova totalização seja feita pelo TRE-PR.

Julgamento

O julgamento do caso começou no dia 10 deste mês. Os ministros Alexandre de Moraes, Roberto Barroso, Luís Felipe Salomão, Edson Fachin, Mauro Luiz Campbell Marques e Sérgio Silveira Banhos votaram pela cassação.

“Está em jogo mais do que o futuro de um mandato, mas o futuro das eleições e da democracia”, disse Fachin.

O ministro Carlos Horbach votou contra a cassação por entender que a informação difundida pelo parlamentar não teve impacto no processo eleitoral.

“A conduta não foi capaz de abalar a normalidade das eleições. A transmissão ocorreu 22 minutos para o término das eleições”, afirmou.

Entenda o caso

Fernando Francischini foi alvo de investigação após afirmar, durante o primeiro turno das eleições de 2018, que as urnas eletrônicas foram adulteradas para impedir a eleição do presidente Jair Bolsonaro.

As declarações ocorreram por meio de uma live nas redes sociais.

Na ocasião, o Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Paraná fez auditoria nas urnas e, segundo representantes oficiais, ficou constatado que elas estavam com funcionamento normal, sem indícios de fraude em seu sistema.

O outro lado

A defesa do parlamentar alega que a atuação de Francischini ocorreu quando ele era deputado federal — e, portanto, estaria enquadrada na imunidade material, que impede que deputados e senadores sejam responsabilizados por suas opiniões, palavras e votos.

Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Lidas da Semana