Conecte-se Conosco

Brasil

Bolsonaro diz que dispensa apoio de quem pratica violência contra opositores

Compartilhe na suas Redes Sociais

Mandatário alega que atos do tipo são características da esquerda.

RDP

Publicado

em

Arquivo | RCP
Compartilhe na suas Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro (PL) usou as redes sociais para repudiar ações políticas que resultem em extremismo político, semelhante ao que aconteceu com o caso Maninho do PT, ex-vereador do Partido do Trabalhadores.

Na ocasião, o então parlamentar e seu filho, Leandro Eduardo Marinho, empurraram o empresário Carlos Alberto Bettoni contra o para-choque de um caminhão. A vítima sofreu um “apagão”, com um corte profundo na cabeça. Em consequência das agressões, o empresário teve traumatismo craniano. Maninho e Leandro não prestaram socorro à vítima.

Com base no ato violento e antidemocrático, a Justiça de São Paulo decretou, à época, a prisão preventiva dos dois — pai e filho. Ambos foram denunciados pelo promotor Luiz Eduardo Levit Zilberma por tentativa de homicídio, tendo a agressão enquadrado como motivo torpe e cruel.

Caso Maninho à tona

Quatro anos após o episódio bárbaro, o caso ‘Toninho do PT’ voltou a ser assunto no mundo político. Isso porque no último sábado (9), ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) agradeceu ao ex-vereador tê-lo “defendido” de opositores.

Mesmo diante de um episódio grave, sanguinário e que gerou indignação no país inteiro, Lula pareceu não se intimidar com o registro de violência ocorrido em 5 de abril de 2018.

— Esse companheiro Maninho… por me defender (…) ficou preso sete meses porque resolveu não permitir que um cara ficasse me xingando na porta do instituto — declarou o petista.

— Quero em teu nome agradecer a toda a solidariedade do povo de Diadema. Foi o Maninho e o filho dele que estiveram nessa batalha. Essa dívida que tenho com você jamais a gente pode pagar em dinheiro. A gente pode pagar em solidariedade e companheirismo — completou.

Maninho do PT é réu junto com o filho sob a acusação de tentativa de homicídio qualificado. O Superior Tribunal de Justiça (STJ), por sua vez, determinou a soltura dos dois. Ficou estabelecido medidas alternativas, como o comparecimento periódico a um juiz. No acórdão, os ministros sustentaram que Maninho e seu filho eram réus primários e tinham bons antecedentes.

Bolsonaro na contramão

Ao contrário do tom utilizado pelo ex-presidente Lula, o presidente da República disse não interessar a ele receber apoio de quem é adepto a praticar violência contra opositores. Em nota, o mandatário condenou casos recentes de intolerância política.

— Independente das apurações, republico essa mensagem de 2018: Dispensamos qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores. A esse tipo de gente, peço que por coerência mude de lado e apoie a esquerda, que acumula um histórico inegável de episódios violentos — afirmou Bolsonaro, que prosseguiu dizendo:

— É o lado de lá que dá facada, que cospe, que destrói patrimônio, que solta rojão em cinegrafista, que protege terroristas internacionais, que desumaniza pessoas com rótulos e pede fogo nelas, que invade fazendas e mata animais, que empurra um senhor num caminhão em movimento — escreveu.

O texto veiculado pelo chefe do Executivo federal nas redes sociais destacada que são casos ‘concretos’ que incentivam a violência, e não “força de expressão” mal utilizada.

— Falar que não são esses e muitos outros atos violentos, mas frases descontextualizadas que incentivam a violência é atentar contra a inteligência das pessoas. Nem a pior, nem a mais mal utilizada força de expressão, será mais grave do que fatos concretos e recorrentes — finalizou.

Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Lidas da Semana